Alô fim de mundo: cheguei!

Afinal vale a pena ir até o fim do mundo, como se autointitula a cidade? Continuando nossa viagem pela Patagônia deixamos El Calafate e rumamos para o fim do mundo :)

O voo de chegada dá uma palhinha do visual que te aguarda

O voo de chegada dá uma palhinha do visual que te aguarda

Espremida entre a Cordilheira e o Canal de Beagle

Minha curiosidade por Ushuaia vem da época em que fiz um mochilão até Macchu Picchu e voltei determinado a fazer outro. Queria porque queria conhecer a Patagônia. Acho que o nome me provoca mais que o conhecimento que tinha sobre ele. Realmente não sei o que despertou essa curiosidade e além do que lá pelos idos de 2004 não existia a quantidade de blogs de viagem que há hoje em dia. A fotografia digital estava começando a ganhar mercado e timidamente surgiam os fotologs (os avôs do instagram), enfim tudo isso para dizer que não era tão mole assim descobrir infos sobre a Patagônia, mas ainda assim o nome Patagônia ecoava na minha cabeça. Ok, corta para quase dez anos depois, o mochilão já devidamente aposentado, finalmente embarco para a cidade mais austral do planeta.
 
 

A minha primeira sensação foi de calma. Deu uma calma estar naquele fim de mundo (no bom sentido). A cidadezinha é tão pacata, sabe. Espremida entre o fim da cordilheira dos andes e o canal de Beagle, parece uma improvável junção da Suíça com a Nova Zelândia, mas é exatamente assim que ela se apresenta aos visitantes. O ritmo da cidade é lento, portanto convidativo a um estado de espírito mais calmo e tranquilo, bom para fazer caminhadas despreocupadas, olhar os barcos que movimentam o mar a frente ou simplesmente contemplar a imensa montanha que domina um lado do horizonte da cidade.

Ushuaia me ganhou de cara com seu aeroporto de madeirinha, uma espécie de superchalé aonde resolveram incluir um terminal de embarque e desembarque. A localização do aeroporto é privilegiada, com vista tanto para o canal quanto para as montanhas e ao mesmo tempo quase dentro da cidade, o que faz sentido afinal a cidade é pequena. São apenas 57mil habitantes, para fins de comparação é um pouco menos do que a quantidade de moradores de Ouro Preto/MG que tem cerca de 70mil. Do aeroporto ao centro da cidade não leva nem 20 minutos. Pegamos um táxi que nos deixou na pousada e aproveitamos o momento para relaxar a vista emoldurada pela montanha ao fundo.

Relax no quarto da pousada com vista pra montanha

Escrito por Claudio Lemos