Slogan oficial de Palmas na entrada da feira da 304


Criado formalmente em 1988, o Tocantins é o estado mais novo do Brasil. E Palmas, sua capital, foi uma cidade planejada ao estilo de Brasília na porção mais ao norte do município de Porto Nacional, que era a cidade mais proeminente do norte de Goiás (região que foi desmembrada para dar origem ao estado de Tocantins). Palmas efetivamente parece uma mini-Brasília, toda dividida em quadras, grande parte ainda desabitada. São vários terrenos a disposição e a espera de um crescimento da cidade que não sei examente quando irá chegar. Como teríamos uma tarde/noite na cidade pois só partiríamos pro Jalapão na manhã seguinte, resolvemos aproveitar para conhecer um pouco de Palmas.

Pousada Girassóis
Nosso transfer atrasou um pouco e com isso chegamos na Pousada dos Girassóis perto das 15h30 de sexta-feira já cheios de fome. Perguntamos na recepção aonde havia um restaurante próximo e eles nos indicaram um shopping que ficava a cerca de 5min a pé. É um centro comercial de dois andares e um subsolo aonde funciona um supermercado. Havia um buffet a quilo de comida mineira e foi lá mesmo que decidimos comer. Demos uma rápida passada no caixa eletrônico pois tinha lido que é seria melhor ter dinheiro a mão caso quiséssemos comprar algo durante o safari camp da Korubo. Na saída do shopping de volta pro hotel comecou a armar uma chuva e chegamos meio molhados no hotel. A chuva deu uma trégua, mas não parecia ter sumido do mapa. A Claudia acabou resolvendo fazer uma massagem com a Deusa, sério(!) esse era o nome da massagista. Eu tava na fissura pra dar um corrida, tinha acabado de ler o livraço “Born to Run” do Christopher McDougall sobre a tribo dos Tarahumara que habitam o interior da Sierra Maestra no México e cujo apetite por corrida é realmente sobrehumano. Super-recomendo a leitura pra quem gosta do assunto.



Era para ter sido 7km mas a chuva deu uma encurtada nos planos
Com isso na cabeça, saí da para uma voltinha até a Praia da Graciosa. Tava curioso pra ver a praia de Palmas que fica as margens do Lago Palmas, formado pela construção da Usina Luís Eduardo Magalhães. O trajeto total teria 7km, três e meio pra ir e três e meio para voltar, porém faltando cerca de 1km para chegar na infelizmente começou a chover muito e já estava ficando escuro, aí acabei desistindo de chegar na praia e voltei pro hotel, não sem antes passar pela Praça dos Girassóis, principal ponto turístico de Palmas, centro administrativo que reúne o Palácio do Araguaia (sede do executivo estadual), a Assembléia Legislativa do Estado do TO e Tribunal de Justiça do Estado do TO. Na Praça dos Girassóis ainda temos um Monumento aos 18 do Forte, o Memorial Coluna Prestes – um prédio assinado por Niemeyer que abriga um mini centro cultural a respeito da Coluna que rodou cerca de 25.000Km no país inteiro – e ainda há o marco do Centro Geodésico do Brasil
Memorial Coluna Prestes
Impossível não reconhecer o traço do Nieyemer
Monumento aos 18 do Forte, até o chão evoca o calçadão de Copacabana
Palácio do Araguaia
O relógio de sol
Marco Geodésico do Brasil
O Cruzeiro, um altar aonde são realizadas a missas campais
Monumento da Súplica dos Pioneiros

Cheguei de volta a pousada um tanto encharcado e quase arrependido porque fiquei preocupado dessa corrida na chuva ter algum efeito maléfico na saúde, mas felizmente não deu nada. Tomei um banho e mais tarde saímos para conhecer a Feira da 304 Sul. Se tem um tipo de passeio que adoramos fazer quando estamos turistando é visitar feirinhas típicas de comida. É sempre uma delícia! E a Feirinha da 304 só acontece as sextas a noite. Pra quem fecha o passeio com a Korubo, vale a pena conhecer pois você irá chegar na cidade na sexta mesmo e o jantar na pousada não está incluído. Pegamos um taxi e a corrida de cerca de R$13/trecho. A feirinha conta com barraquinhas de artesanato (muito capim dourado, obviamente) , feira livre (incluindo um fantástico Disk-castanhas!) e diversas barracas de comidas típicas: tinha tapiocas, caldos, tacacá, pastéis e escondidinhos. Com preços super em conta! Os caldos saíram por inacreditáveis R$4 (a menor tigela que já foi suficiente pra dividir e ainda tinha torresmo, queijo parmesão e torradinhas acompanhando). A barraca da tapioca tinha uma dona divertidíssima que anunciava em voz alta “A minha tapioca é cara! Não sei como vende tanto! Quer provar? “, nem era cara na verdade era marketing puro de vendedor escolado. E uma delícia vale dizer! Já estava bem satisfeito quando passamos em frente a barraca do escondidinho. A Claudia acabou me convencendo e paramos para dividir um escondidinho saidero da barraca de um casal que havia instalado o ponto ali há poucos meses. Ele é professor de biologia mineiro e havia casado com uma palmeense que tem uma mão incrível na cozinha. Super fica a dica: Feira da 304 Sul é show! Só não espere grandes coisas do ambiente, é bem povao mesmo com cadeiras de plástico por todos os lados, cachorros passeando por dentro do pavilhão e pedintes te abordando por um trocado. Não me senti inseguro, mas não convém abusar da sorte né? Na volta marcamos com o mesmo taxista que nos trouxe para nos levar de volta até a pousada. Chegamos a pousada quase meia-noite e o transfer estava marcado pra sair cedo no dia seguinte, portanto era hora de aproveitar pra tirar um último cochilo no ar-condicionado pois as próximas três noites seriam dentro da barraca da Korubo.

Adoro feirinhas típicas :)
Disk-castanha, coisa de gênio!
Há diversas barracas com temperos, farinhas, etc
A tapioca da Vovó Neide – “É cara, nem sei com vende tanto” diz a vendedora, boa de lábia
E tava boa mesmo!
Caldinhos incríveis e baratinhos!
Acredite: apenas R$4,00
Já tava sem fome, mas não consegui pular a barraca do escondidinho mineiro
Ainda bem senão teria perdido mais uma iguaria :)
Na volta do safari camp ainda tínhamos uma noite em Palmas e nosso grupo inteiro resolveu ir comemorar com um jantar de despedida no Cabana do Lago, um bom restaurante ali perto da pousada. Era hora de dar adeus aquele grupo incrível cuja convivência foi intensa durante os 4 dias do safari camp. Na nossa última manhã em Palmas, eu e a Claudia aproveitamos para dar uma turistada ali na Praça dos Girassóis com mais calma e fazer fotos de lá. Segundo li no Wikipedia, a Praça dos Girassóis é a segunda maior praça pública do mundo, ficando atrás em tamanho apenas da Praça Merdeka em Jakarta, Indonésia. Só pra ter uma idéia da desproporcionalidade da praça, Jacarta é uma cidade de 8,5milhões de habitantes enquanto Palmas tem somente 250mil. Em termos de temperatura, ao menos pode-se contar com um calor igualmente garantido nas duas praças. Em menos de 30min já estávamos desesperados com o calor! Demos a sorte de passar um vendedor de sacolé! Ah, que nostalgia de infância :) Caiu super bem pra dar um frescor interno. Marcamos nosso transfer de volta pro aeroporto com bastante folga pois decidimos almoçar no aeroporto. E ainda pedi um favor ao Josi, da Korubo, de fazer o favor de dar uma paradinha na Praia da Graciosa no caminho do aeroporto para pelo menos fazermos algumas fotinhas de lá. A Praia em si não é grandes coisas, mas há um serviço comum ali de festas em barcos num estilo quadradão de dois andares que me pareceu bem agradável.
Xô, calor!
Praia da Graciosa
Não é tão graciosa assim né?
Barcos que vendem passeios estilo chopada por ali
Escrito por Claudio Lemos