Fim do mundo. A gente vê por aqui. 

Eu e a Claudia, chegamos em Ushuaia numa data um tanto quanto singular: 31 de dezembro. Pois é, mas menos por desejo do que por acaso. Na verdade percebi uma lacuna que dava pra encaixar uma viagem justamente na época do ano novo e foi assim que acabei indo parar na Patagônia Argentina. Tinha duas opções, dentro do nosso planejamento de viagem, reveillon em Ushuaia ou El Calafate. Acabou que a melhor opção de malha aérea foi justamente voar dia 31/12 para Ushuaia.

O centrinho de Ushuaia
E o charme que é ter esta cordilheira ao fundo?

Quando finalmente chegamos no hotel, já era quase 18h da tarde, mas noite mesmo só teria a partir das 23h como disse aqui antes. E na nossa ingenuidade achamos que conseguiríamos sair para jantar em algum restaurante ou comprar algo na rua, mas quem disse que os mercados estavam abertos ou que os restaurantes seriam baratos? Na verdade, desde a época da nossa reserva o hotel que ficamos, o ótimo Tierra de Leyendas (um casal de argentinos fofos que cansaram da vida na metrópole em BsAs e abriram uma simpaticíssima pousada em Ushuaia), nos havia perguntado se gostaríamos de reservar a ceia de reveillon com eles pelo preço que equivalia a cerca de duas diárias e meia :S

O casal que é dono do hotel é uma simpatia só. E o staff não fica atrás nesse quesito :)

Logicamente agradecemos e demos uma negativa, mas depois de algumas tentativas frustadas com os restaurantes locais, não nos sobrou outra opção a não ser aceitar de última hora o $convite$ e ceiar com os outros 6 casais que estavam ali hospedados. Enfim, acidentes de percurso. Melhor pensar que isso contribui para mais milhas no cartão de crédito. E antes que vocês perguntem, o jantar foi ótimo e exagerei no vinho, mas era reveillon, certo? 😉

A única foto que sobreviveu da ceia de reveillon

No dia seguinte fomos “desbravar” Ushuaia. O hotel que ficamos é ligeiramente afastado, cerca de 20-30min de caminhada , mas o táxi sai super em conta e o staff do hotel tá sempre ali para chamar um carro para você #ficaadica.

E do nada surgem umas street arts no centrinho

Ali no centrinho de Ushuaia, fica o Puerto de Ushuaia daonde saem cruzeiros em caráter regular para nada menos que a Antártica. Afinal é ali do ladinho, são só uns 1000km no mar. São pacotes a partir de 10 dias, sendo que em média gasta-se 3 dias só no mar só para se chegar até lá. Outro dia, quem sabe né?

“hum…Antártica?”

O Puerto também é o ponto de encontro turístico pois dali saem os passeios regulares de barco que costumam fazer parte do roteiro da cidade: a visita a Pinguinera e o combo Farol/ Isla dos Pasaros/ Isla Lobos aonde mora uma colônia de lobos marinhos. Infelizmente por conta do embate meu cronograma de viagem vs reveillon, acabou que não consegui reservar o passeio da colônia dos pinguins. Só teriam datas disponíveis no dia em que eu iria embora de lá :(      Quem foi, disse que vale a pena.

Fizemos apenas o combo que passa pela colônia dos lobos marinhos.

O passeio é até legal, mas tem um inconveniente de ser muuuito longo. Demora 4h e não sei se mencionei antes, mas não existe calor em Ushuaia né?

Em pleno verão, no primeiro dia do ano os termômetros marcavam 6 a 7 graus na cidade. No mar, fácil que tava uns 4 por conta do vento gelado que corta o Canal de Beagle.

O visual da cidade visto do barco é lindo, a colônia de lobos é bem impressionante (tirando o futum que exala dos bichos), mas podia ter a metade da duração que não teria o menor problema. Em determinado ponto, o barco para numa ilhota e há uma caminhada que não acrescentam muito a visita.

Essa caminhada na ilha é completamente desnecessária ao passeio, mas fazer o quê?

Enfim, todos os passeios meio que seguem esse roteiro então fique com isso em mente, ok?

Pelo menos rola um cafézinho pra esquentar :)
A Isla dos Lobos é muito maneira mesmo!
Escrito por Claudio Lemos