IRB

Instituto Ricardo Brennand

No post anterior, contei nossa surpresa na visita ao Museu Oficina do Francisco Brennand, agora vamos falar sobre o outro primo da família: Ricardo Brennand. Empresário bem-sucedido foi adquirindo ao  longo da vida uma impressionante coleção de objetos de arte. Ele fundou o Instituto Ricardo Brennand aonde construiu inclusive um castelo (é um pouco brega mas ok o dinheiro é dele né?) para guardar e expor sua coleção de armas. O instituto é relativamente perto do museu Oficina, o que também significa que é complicado de chegar por conta própria. Nós fomos de táxi, e adivinha? O taxista se ofereceu para nos esperar e nos levar de volta. :)

Um Botero logo de cara pra você

Um Botero logo de cara pra você

O ingresso custa R$20 e dá acesso a todo o acervo da sua coleção. Nos jardins, logo de cara, você é recepcionado por um Botero. Assim de bobeira, ali parado. Uma réplica da estátua de Davi também faz sucesso com os visitantes.

davi

O Davi no jardins do IRB (Foto: Claudia Omena)

Ainda tava digerindo aquele Botero quando entramos no prédio mais perto da entrada e avisto uma estátua gigante d“ O Pensador” de Rodin. Na minha inocência pensei: é replica, claro! Parei o primeiro funcionário do lugar que achei e perguntei sobre a escultura:

–          Amigo, aquela escultura ali é uma réplica?

–          Não, é autêntica.

–          Mas eu vi o original do Rodin, anos atrás quando teve uma mostra dele no Rio e não media mais que 90cm. – eu estranhei

–          É verdade, mas depois daquele molde, Rodin esculpiu mais 25 estátuas deste tamanho. Esta é a número oito. – o funcionário me esclareceu

Não é réplica não. Taí o oitavo "Pensador" de Rodin

Não é réplica não. Taí o oitavo “Pensador” de Rodin

Hum…tá bom, vamos continuar então né? O primeiro prédio abriga, além do Rodin, uma exposição com diversos quadros sobre a Batalhas dos Guararapes que por algum motivo me remeteram aos quadros da National Portrait Gallery de Londres (acho que era por conta do formato deles).

guarapapes

Fazendo cara de conteúdo no museu. Ao fundo, o quadro da batalha dos Guararapes

O segundo prédio abriga a Pinacoteca que contém um impressionante coleção de obras da comitiva de Frans Post no Brasil (no período do Brasil Holandês), tapeçarias, desenhos de Rugendas, quadros de Debret e esculturas em marfim vindas da Ásia que vão te deixar de queixo caído! Pelo que me informei há um plano de construírem um restaurante no complexo futuramente, por enquanto existe apenas um pequeno café e uma lojinha.

tapeçarias brennand

As tapeçarias

DSC07737

arte em marfim

Surreal estes trabalhos em marfim!

arte marfim

Presta atenção no detalhe do marfim

petrus van shaendel

Quadros de Petrus Van Shaendel, pintor holandês que se especializou em retratar cenas noturnas com luz artificial

Mas a visita ainda não havia acabado, restava conhecer o último prédio do instituto: o famoso castelo do Brennand com direito inclusive a um fosso ao redor. Achei bem brega e deslocado, arquitetonicamente falando, mas enfim o dinheiro é dele né? Dentro do castelo está a vasta coleção de armaria com direto a muita espada, adaga, canivete, armadura, coletes e afins. É difícil até prestar atenção individualmente a uma peça isoladamente, de tanto item junto que tem ali. Se fosse um pouquinho menos organizado, ia parecer uma loja de antiquário. Pode contar em gastar umas 2h para poder circular por todo o Instituto. Querendo otimizar seu roteiro, dá para combinar a ida aos dois Brennands no mesmo dia visitando um Brennand antes e o outro depois do almoço. O Viaje na Viagem fez um post legal indicando como chegar lá .

castelo brennand

castelo brenannd

 

DSC07755

DSC07758

IMG_4422

IMG_4423

Escrito por Claudio Lemos