Mao, motorista do tuk-tuk gente finíssima que nos acompanhou pelos templos
Estou impressionado até agora com a simpatia/cordialidade/amabilidade do povo cambojano. Sério, é algo que nunca tinha visto em nenhum país. Eles tem uma hospitalidade fora do comum. Sempre rindo, tentando te ajudar. Você fica com vontade de levar todos eles na mala contigo, para fazerem parte do seu dia-a-dia. A impressão que tive é que eles ficam gratos em poder ajudar ao próximo, independente de ser turista ou não. Todos os cambojanos, sem exceção, que cruzaram meu caminho nos três dias que estive no país foram extremamente solícitos. É difícil até descrever. Os cambojanos tem algo de uma pureza no coração que encontramos muitas vezes em crianças, e que te provoca uma sensação ótima de bem-estar e te faz querer estar sempre por perto deles. Engraçado que embora os templos de Angkor tenham sido a principal razão para a nossa visita, saio daqui com a impressão de que na verdade o grande highlight daqui são mesmo as pessoas. E olha que os templos são sensacionais!

Angkor Wat, a imagem-ícone que te faz querer visitar o Camboja

 

Visitar o Camboja, tirando o fato de que é do outro lado do mundo, é relativamente fácil. Você pode tirar um visto online (ou na hora quando desembarcar mesmo), se não me engano a taxa é a mesma. A modalidade online, no entanto, agiliza sua passagem pela imigração. E os preços são muito baratos. Você janta bem com USD 10, e não raras vezes por menos que isso. Os tuk-tuks (aquela moto improvisada de taxi) são todos baratinhos, quase todas as corridas vão custar 1 ou 2 dólares.

Eu e Mao conversando numa das paradas do tuk tuk

 

A porta de entrada para os templos de Angkor é a cidade de Siem Reap, que possui pequeno aeroporto daqueles que você desembarca na própria pista de aterrissagem e vai andando até o prédio propriamente dito do aeroporto. É o aeroporto mais movimentado do país, principalmente por conta do turismo de Angkor, inclusive o governo tem planos de substituir esse aeroporto por um maior, mais moderno e mais afastado. Na saída do aeroporto uma multidão de motoristas aguardam com plaquinhas de nome dos passageiros que acabaram de chegar. Todos com sorriso no rosto. Não falei que eles são uma simpatia?

Siem Reap, cheguei!

Os motoristas aguardando os passageiros desembarcarem
Ficamos num excelente hotel boutique (barato, vale dizer) que é convenientemente próximo ao Night Market e a Pub Street, o local aonde rola o agito a noite (tanto de restaurantes quanto de barzinhos/pubs). O hotel nos deu de cortesia transfer in e out para o aeroporto (uns 20min de carro), além de uma diária de tuk-tuk para nos levar aos templos.

Garden Suite do hotel! WOW!!!

Recepção do Mulberry

Indo pro agito da noite cambojana
Escrito por Claudio Lemos