Agora achei Portugal a beira do precipício econômico. Sério mesmo, várias lojas vazias a espera de clientes, restaurantes disputando fregueses a tapa, e um sentimento de que nada acontece ali. Deu para sentir em pequenos detalhes que a economia do país vai mal. E até mesmo pelo comportamento dos portugueses, dá um certo receio de que eles não vão conseguir sair dessa tão cedo. Para o turista isso acaba sendo bom, pois os preços estão baixos (em hotéis, na alimentação, vestuários e até eletrônicos) e isso facilita o desembolso da grana externa, mas para os moradores deve ser bem difícil.
Conversando com locais e estrageiros residentes, escutei que além da dificuldade econômica há também um outro lado mais perverso, que ocorre aos montes no Brasil e acabei descobrindo que foi um traço que herdamos de Portugal, que é o apadrinhamento. Lá em Portugal, assim como aqui, se você não tiver um pistolão, a vida fica bem mais difícil. Seja para conseguir autorizações oficiais até mesmo empregos, lá o apadrinhamento reina. E quem tem padrinho, ao menos, tem alguma segurança. Já quem não tem….tem que rebolar.
Apesar de andar muito mal das pernas, economicamente falando, Portugal tem a sorte de estar na comunidade européia, o que ajuda em muito a situação do país e além disso tem um legado de investimentos em infra-estrutura que torna a vida dos cidadãos muito mais tranquila em termos de mobilidade urbana, por exemplo. Algo que aqui é f#*d@.
Escrito por Claudio Lemos