india pass

No post anterior, contei sobre a definição do roteiro da nossa viagem para a India. OK, mas isso foi tão somente o primeiro passo. Antes de desembarcar na India é preciso vencer a burocracia do visto indiano e a via-crúcis das vacinas – cacete de agulha…senta que lá vem história.

Visto online? Vai sonhando…

Infelizmente, a India não é um daqueles países amigáveis aos brazucas. Visto na chegada? Pode tirar sua vaquinha (sagrada) da chuva. O lance é burocrático mesmo.

Ah, mas eu li que agora eles tem visto online!

É eu também tinha lido, mas tente tirar o seu…Aconteceu comigo, se liga:
– Você preenche todo o formulário e na hora de pagar nada aparece.
– Troca de browser, repete todo o processo e nada.
– Liga pro Consulado em São Paulo. Liga pra embaixada em Brasília e não consegue auxílio (aparentemente o processo é feito por outro departamento na India).
– Aciona o SAC via Skype, mas o sotaque em inglês bollywood acaba com qualquer chance de diálogo.

O jeito então é encarar a burocracia de frente. Pior é que isso sempre me lembra  – atenção pro comentário que entrega a idade avançada – esse episódio do Asterix, mas enfim…vamos lá preencher, imprimir e assinar o formulário, ir na boca do caixa no Santander fazer o depósito em dinheiro (pois TED, DOC e cheque não são aceitos), tirar foto 5×5 pra colar no formulário, escrever uma carta autorizando o consulado a devolver seu passaporte via Sedex, anexar a papelada toda ao passaporte e enviar pelos correios pra São Paulo.

Se o seu karma estiver em dia, uma semana depois seu passaporte chegará de volta são e salvo já com o visto indiano. Pelo menos comigo, foi assim. Segue o link oficial do consulado indiano pra você tirar seu visto.

Partiu imunização?

Nas viagens internacionais, em geral, apenas a vacinação contra febre amarela é obrigatória. No caso da India, essa regra continua valendo. É a única obrigatória, porém como a India é uma região endêmica de várias doenças e as condições de saúde pública não são exatamente favoráveis, melhor prevenir né?

Foto: Joe Flintham (CC BY-SA 2.0)

Foto: Joe Flintham (CC BY-SA 2.0)

Conversando com um amigo médico descobri a existência do serviço de Medicina ao Viajante, que é inteiramente gratuito, coberto pela rede pública de saúde. Acredite, o serviço é bom e funciona. Aqui no Rio de Janeiro há um centro de referência dentro da Fiocruz, mas também pode ser feito nos Centros Municipais de Saúde. Liguei lá e marquei uma consulta (havia datas bem próximas quando liguei). A médica que me atendeu quis saber pra onde iria, quantos dias ficaria lá, se havia doenças pré-existentes, etc. Enfim uma consulta bem completa e então recebi um receituário com um cronograma extenso de vacinação . Hepatite, tétano, difteria, febre tifoide, raiva e o pulso ainda pulsa.

Praticamente todas as vacinas estão disponíveis na rede pública (a exceção é a febre tifoide), e se você é do tipo que medo de agulhas é uma boa oportunidade pra tratar essa fobia. Já tomei umas seis injeções até agora e ainda tem mais agulhas no horizonte.

Escrito por Claudio Lemos