É possível percorrer a Toscana de carro, trem e bicicleta (quem sabe até mesmo a pé?). Enfim cada um a sua maneira. Apenas não recomendo tentar a bike no inverno, a menos que se esteja procurando perrengue aventura. Escolhi o trem para me levar e só precisava me preocupar em estar de volta na estação no horário marcado. Fiz os seguintes combos: Pisa/Lucca e San Gimignano/Siena. De cabeça agora não lembro exatamente as distâncias, mas em geral eram viagens de trem na Toscana duravam no máximo 1h.

Fui no fim do inverno, o que era garantia de casaco todos os dias e alguma neve no chão. Não creio que seja a época mais bonita (a primavera deve ser deslumbrante, mas como não deu…).
Ruazinha para pedestres no centro de Pisa
 
Em Pisa a caminho da Torre

Pisa

Das opiniões que ouvi sobre Pisa metade diziam que não vá e outra metade vá. E o engraçado é que o motivo das duas era o mesmo: a Torre de Pisa. Enquanto uns defendiam que a torre é linda que super vale a visita, o outro grupo argumentava para que perder tempo e ir até lá só para ver a torre? Só que para mim  a imagem da Torre inclinada era (e ainda é) muito emblemática. Itália e a Torre de Pisa estão intrinsecamente relacionadas, de modo que não foi difícil decidir incluir a visita da cidade no roteiro.

Pisa em si é uma cidade pequena que tem cara de cidade pequena. São quase noventa mil habitantes (para efeito de comparação Cabo Frio-RJ tem 150mil), ou seja aquele clima de tranquilidade. A estação de trem Pisa Centrale te coloca bem perto do centrinho que é bem servido de lojas de diversos segmentos (moda, eletrônicos e gastronomia). De lá até a Torre são cerca de 20min a pé. Há uma outra estação de trem em Pisa (San Rossore) que é ao lado da Torre, mas aí mesmo é que você não vai ver a cidade e talvez seja por isso que aquela metade argumenta que a cidade não tem nada. Devem ter saltado do lado da torre e só conseguem ver a feirinha de artesanato que fica grudada no complexo da torre.

Na minha humilde opinião, a visita vale super a pena. A torre é linda, e seu entorno é bem agradável com um gramadinho onde as pessoas tomam banho de sol e aproveitam o local. Eu indico.

Não, você não bebeu demais…

Cheguei em Pisa por volta das 11h e às 15h00 já estava de volta na estação para  pegar o próximo trem em direção a Lucca. Nas cerca de quatro horas que fiquei por lá deu pra visitar o centrinho, rodar o complexo onde fica a Torre (não quis subir, mas é possivel pros interessados) e ainda almoçar num simpático café  local.

Lucca

Eu fiquei muito fã de Lucca por um motivo muito simples: bicicletas. A cidade respira bicicletas. É o máximo! Das crianças aos velhinhos, parece que a cidade vive sobre as magrelas. Lucca é uma cidadela envolta por uma muralha que foi erguida para protegê-la de invasões que nunca chegaram a ocorrer, mas o resultado disso hoje é um retângulo de mais ou menos um 1km por 0,5km que é deliciosamente percorrido pelas magrelas, até porque na maior parte deste quadrilátero o trânsito de veículos é proibido. Eu ficava encantado vendo os idosos super a vontade pedalando a vontade, indo e vindo naquela cidade parada no tempo. Incrível mesmo.

Como estava muito frio, senti que isso infelizmente iria me impedir de alugar uma magrela e me misturar com os locais, mas dá uma vontade doida e voltar pra lá na primavera só pra pedalar por ali. A cidadezinha é um charme, com destaque pra Piazza Dell’Anfiteatro que é completamente envolta por prédios (para você entrar precisa passar por um arco embaixo deles). Uma graça mesmo. As muralhas são largas e tem ótimos espaços para relaxar ou fazer cooper em cima. A noite, ela fica ainda mais bonita com a iluminação das pedras. Show!

San Gimignano

Cena cotidiana: feira livre no centro da cidade

San Gimignano era uma cidade que eu esperava mais. Não quero desanimar ninguém não, acho que talvez tenha sido um problema de expectativa mesmo. Talvez você já tenha ouvido de algum amigo seu aquela sabedoria de viagem que diz que quem conhece uma cidade medieval conhece todas, certo? Isso em parte é verdade. Acredito que pra quem visita San Gimignano como sua primeira cidade medieval terá um impacto muito maior dos que os que já visitaram alguma outra antes. Fato. Mas a localização de San Gimignano é privilegiada. A cidadela das treze torres fica no alto de um morro que se sobressai numa planície, possibilitando ao visitante ter uma vista espetacular da Toscana. Tirando isso, não vi maiores atrativos por lá. Isso claro, se você relativizar o fato que já conhecia algumas outras cidade medievais. Repito, pra quem nunca visitou uma, o efeito será deslumbrante.

O mini trampo para é chegar lá. O trem te leva até Poggibonsi e de lá precisa ainda pegar um busão que demora mais 20min. Fiquei ligado porque o horário do ônibus é programado para ser otimizado com as chegadas de trem a estação. O ônibus vai passar uns 5 a 10min depois que o trem chega na estação, portanto se ficar moscando na estação/banheiro/café corre o risco de mofar uma meia hora até o próximo busão.

Siena

A fantástica Piazza del Campo

San Gimignano e Siena são próximas e ligadas por trajetos curtos tanto rodoviário quanto por trem. Eu ia pegar o trem, mas pelo timetable acabei indo de ônibus mesmo. São ônibus confortáveis, sem motoristas maniacos. Então dá pra fazer a viagem numa boa. E o lado bom é que o terminal rodoviário é mais perto do centro turístico de Siena. Assim como Lucca, Siena tem boa parte do seu centro destinado aos pedestres. Apesar de não ser exatamente proibido o acesso a carros, o pedestre claramente tem a preferência pelas ruas do centro de Siena que é supercharmosinha. E lá tem uma praça que possivelmente eu posso eleger como a minha piazza preferida por todo esse rolé que fiz na Itália.

A Piazza del Campo é impressionante. Tem uma forma de concha, com as extremidade mais elevadas que o seu vértice central. É lá que anualmente (?) ocorre o Palio de Siena. É uma praça extremamente agradável. Não dá vontade de ir embora de lá. Com o acesso fechado a carros, a praça é tomada pelos cidadãos que ficam lá tomando banho de sol e drinks ao ar livre. Passei um fim de tarde lá que não esquecerei tão cedo.

Achei Siena uma cidade um pouco maior do que as outras que vi na Toscana. Pode ser só impressão…É considerada pela Unesco um patrimônio da humanidade. É uma chancela de peso. Definitivamente vale a visita.

Escrito por Claudio Lemos