Na fase de planejamento da viagem havia calculado quatro dias inteiros em Roma, incluindo aí o dia da chegada que foi as 7h00 na cidade. Depois de dois dias saquei que daria para fazer o bate-e-volta a Napoles e Pompeia. É puxado mas vale a pena. Segui as dicas do Riq Freire e foi facinho, facinho chegar lá.

O anfiteatro de Pompeia
 
A cama de pedra no bordel de Pompeia
 

A Claudia amou Pompeia e eu amei Nápoles, quer dizer amar, amar não é bem a palavra, mas foi interessantíssimo (para usar um palavrão proparoxítono). Não tinha idéia do tamanho de Pompéia, é tão grande quanto um bairro e cansa as pernas andar por lá. Os tours pelo local levam de 2h30 a um dia inteiro. Haja ruína para ver. Os highlights são os anfiteatros, a casa do fauno e as termas, particularmente me chamou muito atenção os bordeis com camas de pedra.

Varais de Nápoles
 

Nápoles é uma cidade feia, suja, toda pixada, com um trânsito caótico. Diria até escrota, mas tudo isso faz parte do “charme” local. Você tem a sensação de que vai ser atropelado a qualquer momento pelas vezpas e motocas que infestam as ruas e calçadas – cuidado até nas calçadas! As janelas  dos apartamentos são cheias de varais de roupa para todos os lados que você olha. É um ambiente meio mal-encarado. De muitas formas me lembrou Salvador, no lado bom e no lado ruim. E a pizza, ah a pizza…Foi a melhor que comemos na Itália, sem sombra de dúvida. E para complementar o tour de Pompeia, passe no Museu Arquelógico de Napóles – tem até caralho-de-asa (?!).

 

Escrito por Claudio Lemos