Hoje, como tava calor, eu resolvi ficar de bermuda. Desci para o café-da-manhã e fui reparando que todo mundo usava calça. Jeans ou social, mas sempre calça. Imaginei que era por causa do perfil do hotel, focado no business tourism, então é até normal que as pessoas já venham para o café arrumadas para trabalhar. Aí fui para o shopping e comecei a me sentir meio ET.
Tudo bem que só por eu ser turista já atraio atenção. Não vi ninguém com perfil parecido comigo. Moreno de cabelo enrolado, não existe isso por aqui. A distribuição racial aqui é mais ou menos assim: 8% de indianos, 20% de população branca (tipicamente inglês ou holandeses) e o resto só dá negão. Não tem aquele papo do Brasil de mulato, pretinho ou moreninho, é negão de verdade. Como cantava James Brown “say it out loud, I’m black and I’m proud”. Então, fica evidente que não pertenço a esse lugar. Ontem quando conversei com o Mthandeni eu perguntei a ele se eu me encaixaria na definição de coloured que exisitia aqui na África do Sul. E ele me deu um sorrisinho que parecia esconder um “pára-com-isso” e falou que sou considerado praticamente um branco aqui. 

Pra piorar minha situação, quanto mais eu andava pelo shopping mais pessoas de calça eu via. Já tava me achando um animal em extinção, quando finalmente vi um outro ser de bermuda, por coincidência também camuflada como a minha. Antes de retornar para o hotel ainda pude avistar mais uns outros 2 seres de bermuda e só.
Estranho isso, né? Aqui faz calor e mesmo assim só dá calça. Então dá licença que vou ali pegar meu jeans.
Escrito por Claudio Lemos