Os highlights em Florença com certeza ficam por conta das Gallerias Della Academia (lar da estátua de Davi) e Uffizzi. Além disso há ainda o Duomo de Florença, a Ponte Vecchio e, pra mim, o Mercado Central. Vamos a eles.
Réplica da estátua de Davi na Piazza Della Signora

 

Em relação ao tamanho, a Galleria Della Academia chega a ser bem comportada, quase compacta se comparando a Uffizzi, mas tamanho não é documento, certo? O salão da música conta a um pouco da história dos instrumentos musicais com alguns exemplares seculares do tatatataravô do piano. Há esculturas de Michelangelo e esboços de Da Vinci. Mas o grande chamariz mesmo é a impressionante estátua do Davi. É incrível! Só vendo mesmo…(até porque não se pode tirar fotos dentro da Galleria).
A Galleria Uffizzi por sua vez é enorme. São mais de quarenta salões lotados de quadros e esculturas, a maioria do período da Renascensa. O famoso quadro de Botticelli “O nascimento da Vênus” está lá, assim como obras de Caravaggio, Donatelo, Michelangelo, Tiziano, Tintoretto e Rafaello. É pra entrar e esquecer o relógio. Além de que #ficaadica prepare-se para a fila de entrada, pois o acesso ao museu é controlado – o que deixa a visitação nas salas mais tranquila com menor fluxo de pessoas -, com detectores de metal. Ficamos uma hora do lado de fora até que chegasse a nossa vez. :(
Duomo de Florença

 

Há uma opção de reservar ingresso com hora marcada cuja entrada é feita por um acesso especial, mas atenção pois você deverá chegar on time ou então perdeu! Além do que, como já adiantei antes, a organização da fila na Itália não é nenhum primor, não seria nenhuma surpresa que esse sistema de reserva acabe lhe dando alguma dor de cabeça também. Tirando este porém, é um must see de Florença! Vale todo esse perrengue de acesso. E o mais legal é que juntando a visita desses dois museus com uma olhadinha na fachada do Duomo de Florença e arredores do centro histórico, o período do renascimento ganha um colorido completamente diferente na sua mente. Você consegue sentir a mudança de comportamento/social que transformou a cultura européia/ocidental, como as obras passaram a focar mais o homem e seus feitos, a atenção dada a anatomia humana (nas esculturas isso é particularmente sensível), o nascimento da arquitetura do Renascimento, enfim vá a Florença e o renascimento terá outro significado para você.
Mercato centrale
 

Comida

Um programinha maneiro que adoro fazer em cidades que visito é conhecer o mercado de comidas local.  Muito provavelmente a gente acaba conhecendo uma comida/tempero/fruta, enfim um sabor novo. Foram nessas idas a mercados de comida que conheci o centolla (em Santiago), o jamon pata negra (em Barcelona) e a raclette (em Londres). Na Itália, obviamente o carro chefe é a massa. No Mercato Centrale de Florença havia uma infinidade de opções de massas para vender e vim a conhecer a massa al nero de seppie, uma massa negra deliciosa. Trouxe até pra fazer em casa, quer dizer a Claudia que faz porque eu sou uma negação na cozinha. E compramos também alguns azeites aromáticos de limões sicilianos, peperoncino, basilisco (manjericão), alho, trufas e funghi. Ui, já deu água na boca…
Escrito por Claudio Lemos