Churrasco de camarão da Luzia

Churrasco de camarão da Luzia

“Vocês vão comer o camarão da Luzia, né?” Era a pergunta que ouvíamos sempre que comentávamos que passaríamos uns dias em Atins. De São Luís a Barreirinhas, acho que todos os guias que encontramos no caminho repetiram esta pergunta. Parecia até uma conspiração. Mas verdade seja dita, eu mesmo já estava curioso há tempos pra provar o camarão da Luzia. Foi tema até de coluna no Estadão e vários blogs indicavam a iguaria: o churrasco de camarão da Luzia, no canto de Atins.

enquadra e pendura

A coluna que saiu no Estadão no restaurante da Luzia. Ao lado, várias garrafas de Tiquira um aguardante feito de mandioca que também é vendido dentro do côco.

Decidimos dividir a hospedagem nos Lençóis. Passamos três noites em Barreirinhas que é a base para a maior quantidade de passeios e tiramos duas noites em Atins pra curtir uma vibe mais relax. Atins é uma vila de pescadores com apenas mil e quinhentas pessoas segundo o Buna me contou, mas a sensação de que existe menos ainda. Adminstrativamente falando, Atins faz parte de Barreirinhas mas a distância geográfica acaba transformando-a numa espécie de fim-do-mundo esquecido. Ou um paraíso esquecido, dependendo do ponto de vista. Não existe asfalto, as ruas são todas de areia. Não vi farmácia, nem mercadinho por ali. Não lembro nem de ter visto um aparelho de televisão nas casas. Atins é cercada a oeste pelos Lencóis, a leste pelo Rio Preguiças e ao norte pelo oceano, e essa combinação única já começa a ganhar fama internacional. Durante as duas noites que estivemos ali no rancho do Buna, vimos franceses, alemães e italianos. Em Barreirinhas comenta-se que Atins vai virar a próxima Jericoacoara daqui a uns três anos. Não sei se vai ser tão rápido assim, mas só o fato de Atins já estar tangenciando a Rota da Emoções realmente vai agilizar o processo.

IMG_2758 IMG_2760 IMG_2762 IMG_2763 IMG_2766 IMG_2767 IMG_2771 IMG_2773 IMG_2775

A Rota das Emoções ainda não é um destino estourado mas tem tudo pra ser em breve. É um caminho que liga Jericoacoara até Lençóis Maranhenses, passando ainda pelo Delta do Parnaíba. É o tipo da viagem de 7-9 dias inesquecível. Ainda pretendo voltar lá pra conferir Barra Grande ainda mais agora que descobri a existência de voos regulares da Azul pra Parnaíba, mas voltando a Atins, fiquei superfeliz por ter conhecido a vila ainda nesse estágio primário de desenvolvimento. Cresci ouvindo que Búzios/Pipa/Trancoso/Jericoacoara já não era mais a “mesma coisa que há vinte anos atrás”, porque “agora já tem hotéis-boutique, restaurantes caros, etc”. Tenho quase certeza que se/quando voltar a Atins daqui a alguns anos vou ser um desses hehehe

Atins tem um vibe muito relaxada. Praticamente não há carros na cidade. Acho que além da pick-up do Buna, só há mais uma outra jardineira para fazer os passeios a Lençóis. Não há barulhos de carro, nem aquelas horrorosas paredes de som (sempre com um gosto musical duvidoso) que encontramos em Barreirinhas. A música que reina é da natureza, o vento no litoral e o zumbido dos mosquitos. O céu a noite é algo sensacional. Praticamente na linha do Equador, dá pra ver até os satélites que orbitam a Terra passar. E a quantidade de estrelas é absurda. Taí um lugar sensacional para fazer uma descompressão dessa vida corrida maluca de cidade grande. O hospedagem no Rancho do Buna também ajuda bastante a compor essa vibe. E a cerca de dois meses o Buna abriu a “Rancharia” um bar/restaurante com decoração super-legal que ele próprio desenhou/esculpiu na madeira. Provamos as “panelinhas”, uma invenção do próprio Buna. Bem bacaninha.

DSC07081

A Rancharia do Buna em Atins, recém-aberto em março/abril de 2014.

DSC07089

Nós e o Buna

DSC07091

DSC07093

DSC07095

Falando em comida a grande sensação em Atins são os camarões. Mais especificamente o camarão da Luzia. Chegamos lá supercuriosos com a propaganda e decidimos pedir o strogonofe de camarão e o camarão a moda da casa. O strogonofe de camarão me lembrou cozinha baiana, cheia de coentro e pimenta. Tinha um gosto que remetia as moquecas de Salvador. Achei sensacional, bem mais gostoso que o prato da casa que deu fama a Luzia e foi até motivo de briga familiar – a cunhada da Luzia trabalhava na cozinha do restaurante, mas elas brigaram e hoje o Antônio (irmão da Luzia) abriu seu próprio restaurante que está ao lado do restaurante da Luzia e também tem a receita dos famosos camarões. O camarão a moda da casa vem aberto, com casca e grelhado. É super suculento e tem um molho super entranhado na carne que é bem gostoso. Com certeza diferente de todos os camarões que você já comeu, mesmo assim ainda curti mais o strogonofe.

DSC07068

Essa simplicidade toda é aonde se esconde o famoso camarão da Luzia.

IMG_2755

IMG_2754

DSC07066

DSC07071

DSC07069

O camarão é grelhado, aberto e marinado num tempero cuja receita a Luzia está querendo vender para algum restaurante do eixo RJ-SP

DSC07074

A “famosa” Luzia (no centro da foto)

 

 No fim das contas, gostamos (muito) do camarão mas acho que a propaganda ainda foi excessiva. O camarão da Luzia entraria fácil no nosso Top 5 camarões no Brasil, mas não é um camarão que valha a viagem por si só. Claro que se você for para lá não pode deixar de provar. Aliás esse TOP 5 do camarão vai virar post, a conferir.

Escrito por Claudio Lemos