IMG_8119O epicentro das comemorações da Oktoberfest de Blumenau é o Parque Vila Germânica, um centro de convenções de 26mil metros quadrados composto por 3 pavilhões cobertos e mais uma tenda aberta (onde funcionava um biergarten). Além disso, no entorno dos pavilhões dentro da Vila Germânica há uma área com lojinhas de souvenir, comidas e, claro, cervejas que funciona o ano todo. Saímos de lá com nítida impressão que a Rock Street do Rock In Rio se inspirou nesse lugar. É super agradável de andar por ali, observar as pessoas e tomar uma cerva.

A Vila funciona todos os dias durante o período da Oktoberfest, sendo que aos finais de semana é mais concorrido. O Parque e o Biergarten abrem cedo, as 11h da manhã. Então dá pra chegar lá e rodar pelas lojas que estão mais vazias.

Os pavilhões são abertos a partir das 18h e fecham só na madrugada aos finais de semana. Para entrar no parque é cobrado ingresso (durante a semana é mais barato que no fim de semana), mas quem chega cedo pode acabar entrando de graça. Nós chegamos lá na sexta-feira as 17h e descobrimos que a cobrança de ingressos só seria exigida a partir das 18h. Já estávamos até mentalmente preparados pra comprar ingresso quando tivemos a surpresa, e aí o cascalho foi reinvestido em cervejas hehehe.

Como era cedo ainda, deu para observar o pavilhão ainda vazio, à espera dos foliões. Lá dentro havia quiosques das cervejas Eisenbahn, da Bierland, da Brahma e da Das Bier, que tinha um delicioso chope chamado Starkbier (uma strong scotch ale assim como a Bodebrown Wee Heavy que a gente ama).

Tem também quiosques com comidas e restaurantes. Provamos umas salsichas ótimas, hamburguer de pato e uma batata bem doida. Fora isso ainda resolvemos jantar por lá um dia, caindo dentro dos kassler, eisben, chucrute, pato com maçã, apfestrudel e torta alemã pra fechar a tampa!

vai salsicha

Vai uma salsicha?

Weisswurst

Salsicha branca alemã

hamburguer pato

Hamburguer de Pato

torta alemã

ah…torta alemã!

batata

Batata frita e empanada…ai meu colesterol…

Em cada um dos 3 pavilhões havia um palco com programação intensa toda a noite. Eram várias bandas, ou melhor, verdadeiras orquestras com vários naipes de metais, músicos animados todos com figurino próprio cantando músicas covers de ABBA, Queen, Tina Turner e várias outras em alemão que a gente desconhecia completamente mas o público cantava junto o tempo todo. Ok que a gente ouve dizer que há uma influência alemã por lá, coisa e tal. Mas é praticamente uma mini-Alemanha ali. As pessoas conversam em alemão na maior naturalidade.

E o legal é que você percebe que as pessoas vestem as roupas típicas não por farra como no carnaval, mas sim por uma questão de orgulho e tradição mesmo. Não tem aquele clima agressivo de pegação ou, pelo menos, não vimos isso. Claro que você sente que os mais jovens aproveitam para tentar dar uma azarada (tô me sentindo um tiozão escrevendo agora…) mas no geral, o clima é super família e bem tranquilo. É o maior barato ver as mini-fridas-bebês vestidas no colo dos avõs que também estão usando os trajes típicos alemães.

Aliás, contrário do que havíamos suposto, a festa NÃO é uma grande chopada. É uma celebração dos costumes alemães. Então é normal ver as famílias reunidas ali, curtindo e dançando. Vimos casais na 3ª idade ao lado de adolescentes na pista na maior animação. Os adultos e o jovens faziam questão de segurar seus canecos presos em tirantes. Não resisti e comprei um também. Só não comprei o traje típico porque achei caro gastar esse grana apenas pra um dia. Se tivesse um aluguel de roupas, teria alugado mas não encontrei…olha aí a oportunidade de negócio 😉

A gente saiu de lá com vontade de voltar numa próxima edição junto com uma galera, quem sabe não rola né?

Pra fechar deixo vocês com vídeos da banda mais caricata que vimos por lá, a Vox3 que tem uma pegada meio Mamonas Assassinas, usam figurinos esdrúxulos no palco e fazem versões caricatas de sucessos nacionais e internacionais como Chope em Metro (Lepo-Lepo do Psirico), Tão Loki (Get lucky do Daft Punk), Show dos Alemón (Show das Poderosas da Anitta), Hey Sexy Frida (Gangnam Style do Psy), entre outros. Olha só, se tiver coragem:

 

Escrito por Claudio Lemos