Um emaranhado de prédios em Downtown Dubai
Vou te falar que já cheguei meio de costas em Dubai nessa etapa de volta da viagem. Tava implicando super com a cidade. Sua falta de planejamento para o cidadão comum. E a total orientação para o uso de carros. A boa primeira boa impressão que tive da cidade quando passei a noite na região de Downtown Dubai foi toda por água abaixo, após ter ficado hospedado em Marina Walk.

Quatro momentos do metro de Dubai

A Dubai que o turista provavelmente vai conhecer e frequentar é basicamente uma grande reta estilo Marginal ou Avenida Brasil (só que com carpete no lugar de asfalto esburacado). Começando na parte antiga da cidade e na região de Downtown Dubai, a Sheik Zayed Road é a principal artéria da cidade e é uma avenida sem fim que eventualmente sai de Dubai e a conecta com Abu Dabi  Em boa parte do percurso metropolitano, avistamos a linha de metro correndo num horroroso elevado em paralelo a essa avenida, sendo interrompida de vez em quando pelos terminais de passageiros, estações também horrorosas que lembram a cabeça do Alien o 8˚passageiro.
Marina de Dubai

A praia de Jumeirah na região de Marina e os espigões ao fundo

 Cerca de 10 a 15km de downtown, seguindo pela Sheik Zayed, chegamos a “próspera” região da Marina e praia de Jumeirah, a parte hypada de Dubai. Ali estão concentrados vários espigões que abrigam condomínios residenciais de luxo, a orla é dominada por hotéis (Ritz, Hilton, Sofitel, Sheraton, etc) e shoppings. É difícil até ver o sol pela manhã, por conta de tanta sombra dos prédios. Se não estiver na areia da praia, tem que esperar chegar próximo do meio-dia para conseguir pegar um sol em meio a tanta sombra. Essa concentração de espigões me incomodou pra cacete. Era feio, não tinha nada de harmônico e ao mesmo tempo a via de carros na orla e região era pequena dando espaço a um chato engarrafamento constante (porque os semáforos eram beeeem lentos). Alias toda a orla em si nem parece que rua de verdade. Lembra rua de shopping. Me senti andando pelo estacionamento do shopping Downtown (da Barra da Tijuca) no piso das lojas.

Parece shopping, mas é a orla de Jumeirah

O point mais hypado da praia de Jumeirah são as cerca de cinco quadras aonde estão concentrados os grande hotéis. É ali que Dubai se mostra seu lado mais escroto, ao menos pra mim. O calçadão que acompanha essa orla tem vários restaurantes, bares e cafés. E os preços são até bem razoáveis (mesma faixa de Rio-SP), porém ali é o point né? Em meio aos turistas que passeiam por ali também há a massa jovem e rica de Dubai que vem se exibir Eu nunca vi tanta ostentação junta! Você não para de ver aquele festival de carrões: Lamborguini, Ferrari, Bentley, Aston-Martin, Maserati, Pagani, Rolls-royce, Porsche, tem de tudo. Volta e meia você percebe um festival de brilhos por conta de um colar ou brincos de diamante. Chega a ser ridículo de tão surreal aquele cenário.
Jogando frescobol like a (arab) boss

Acompanhando essa mentalidade bisonha, o planejamento urbano de Dubai parece também focado na extravagância pela extravagância. Parece coisa de criança rica birrenta. A cidade tem um jeitão  “já que o dinheiro tá sobrando, vamos então colocar tudo aqui e um do lado do outro”. Ao passo que a cidade também parace um grande canteiro de obras, pois não param de construir mais e mais prédios, ainda que haja dificuldade para ocupar toda essa oferta imobiliária comercial disponível. Vi muita área comercial a procura de inquilino.

Escrito por Claudio Lemos